Você está aqui: Página Inicial Notícias 2015 Justiça bloqueia bens de prefeito de Redenção por fraudes em licitação da secretaria de saúde
Ferramentas Pessoais
prpa
     

Justiça bloqueia bens de prefeito de Redenção por fraudes em licitação da secretaria de saúde

Bloqueio é para ressarcir prejuízo aos cofres públicos estimado em quase R$ 2 milhões. Foram bloqueados bens ainda de cinco empresas que comercializam produtos farmacêuticos e hospitalares.

03/12/2015 às 15h18

A pedido do Ministério Público Federal (MPF), a Justiça Federal de Redenção, no sudeste do Pará, ordenou o bloqueio dos bens do prefeito do município, Vanderlei Coimbra Noleto, da Secretária de Saúde Sinmarlene Dueti Rezende Silva e do pregoeiro Wilmar Marinho Lima, por suspeitas de fraudes e superfaturamento em licitação para compra de medicamentos e materiais laboratoriais, cirúrgicos e odontológicos. De acordo com cálculo da Controladoria Geral da União (CGU), o prejuízo aos cofres públicos chega a R$ 1,9 milhão.

Além dos servidores públicos, o bloqueio de bens também atinge cinco empresas suspeitas de terem participado das fraudes na licitação. No total, a CGU encontrou 10 irregularidades na licitação, passando por sobrepreço, superfaturamento, direcionamento da licitação e limitação da concorrência.

“Vanderlei Coimbra Noleto, na qualidade de Prefeito Municipal, é o administrador dos programas de saúde do Município e foi quem homologou o procedimento licitatório, atestando sua regularidade. Sinmarlene Dueti Rezende Silva, atuando como Secretária Municipal de Saúde, é a ordenadora de despesas dos referidos programas de saúde e possui o controle da pasta responsável pela licitação. Por fim, Wilmar Marinho Lima, pregoeiro, atuou diretamente nos fatos narrados, pois era o gerenciador do certame”, narra a decisão que bloqueou os bens dos três.

As empresas Rendefarma Ltda, Nogueira Comércio de Produtos Farmacêuticos Ltda, Loreto Diagnósticos Ltda, All Médica Distribuidora de Materiais Hospitalares e Parafarma Medicamentos e Hospitalar Ltda forneceram certidões fora do prazo de habilitação da licitação e realizaram contratação sem apresentar os documentos exigidos pelo edital.

O relatório da CGU, levado até a Justiça pelo MPF, apresentou uma lista de irregularidades (veja abaixo). Um dos exemplos de superfaturamento foi a aquisição do produto Permetrina 1% loção, pelo valor unitário de R$ 3,2, em uma despesa total de R$ 18.240,00. O valor médio do produto era de R$ 0,98, conforme previsto no banco de preços da saúde, que orienta as licitações de produtos para a área em todo o país (com variações regionais). Se o preço previsto tivesse sido praticado, a aquisição seria 226,53% mais barata, totalizando apenas R$ 5.586,00.

“Outra aquisição que se mostrou substancialmente mais onerosa do que a média da região foi a Levodopa Benserazida 200 mg + 25 mg (aquisição de 20.000 unidades), pelo preço de R$ 26,00, num total de R$ 520.000,00, enquanto a média prevista no BPC seria de R$ 1,41, que totalizaria R$ 28.200,00, representando uma diferença de 1.744% e um pagamento a maior de R$ 491.800,00”, diz a decisão do juiz Victor Curado Silva Pereira.

Ao final do processo, o MPF pediu que a Justiça obrigue o ressarcimento integral do dano, a proibição das empresas de contratar com o poder público, a perda da função pública e a suspensão dos direitos políticos dos agentes públicos.


Lista de irregularidades segundo relatório da CGU
a) ausência de justificativa formal para os quantitativos de materiais e medicamentos a serem adquiridos;
b) adoção da modalidade de licitação "menor preço por lote" em detrimento de menor preço por item, limitando a concorrência e impedimento a obtenção de maior vantagem para a Administração Pública;
c) dano ao erário no montante de R$ 259.854,00, decorrente da inclusão de itens idênticos em dois ou mais lotes e de aquisição do mesmo item por diferentes valores;
d) descrição insuficiente inadequada de itens;
e) indicação de marca do bem/produto a ser adquirido na descrição contida no edital;
f) falta de anexação de todos os atos processuais ao processo de licitação;
g) exigência indevida de aquisição do edital para habilitação ao certame;
h) direcionamento da licitação através da habilitação indevida de empresas, aceitando extemporaneamente
documentos imprescindíveis a habilitação;
i) sobrepreço de R$ 1.594.717,90 nos valores de medicamentos e materiais técnicos;
j) superfaturamento de R$ 59.007,83 na aquisição de medicamentos.


Processo nº 0004485-75.2015.4.01.3905

Íntegra da ação do MPF
Íntegra da liminar judicial


Ministério Público Federal no Pará
Assessoria de Comunicação
Fones: (91) 3299-0148 / 98403-9943 / 98402-2708
prpa-ascom@mpf.mp.br
www.prpa.mpf.mp.br
www.twitter.com/MPF_PA
www.facebook.com/MPFederal

Ações do documento